-->


 

Opinião - 05/03/2018 - 04:54:20

 

Sois Rei! Sois Deus!

 

Vicente Barone * .

Foto(s): Divulgação / Arquivo

 

Vicente Barone é analista político, editor chefe do Grupo @HORA de Comunicação, foi executivo de marketing em empresas nacionais e multinacionais, palestrante nacional e internacional em marketing social, cultural, esportivo e trasnporte, além de ministrar aulas como professor de 3º

Vicente Barone é analista político, editor chefe do Grupo @HORA de Comunicação, foi executivo de marketing em empresas nacionais e multinacionais, palestrante nacional e internacional em marketing social, cultural, esportivo e trasnporte, além de ministrar aulas como professor de 3º" e 4º graus


Um político, que se acha “rei”, resolve usar seu “trono”, como se estivesse num vaso, como diria os mais antigos. Acontece que de dejetos, nossos dias andam cheios e os eleitores reagiram imediatamente e foram às ruas protestar por seus direitos e por abusos cometidos.

O maior problema dos discursos egocêntricos está justamente no fato de que são surdos e cegos, se a direção é diferente da que ele acredita e defende. E em como faz essa “defesa”. O misticismo que envolve a cadeira de político eleito é usado de acordo com a conveniência, mas ele mora justamente na entrega, no talento, no que está ali previamente.

Antes da vaidade, da arrogância e da ambição.

Quem é, não se proclama ser. Não precisa. O político que se coloca acima da lei que supostamente está defendendo perde muito com isso, a meu ver. Elimina a possibilidade de aprender e compartilhar, toda vez que tem o privilégio de estar eleito. Temos muito que fazer para melhorar essa relação. Somos democráticos, estamos a serviço da constituição.

A realeza está em se colocar humildemente como um servo do eleitor. Deixar que a democracia, nossa real rainha, nossa deusa, aja sobre nós. Sem misticismo tolo e mergulhados ao mesmo tempo de corpo e alma, nesse nobre ofício que é de representar um povo, uma nação.

Existe sim o glamour, o incenso, a idealização, a paparicação, mas o segredo óbvio é não acreditar ou deixar subir à cabeça. Esses lugares de confete são rodízios de momentos superficiais. Não que sejam todos falsos, mas são fumaça, fazem parte, mas não sustentam eleições ou reeleições, não nos dão a real consistência, para merecermos os votos, a vitória.

Nosso suor está nas campanhas, no discurso, nas viagens, na dedicação, no amor fiel ao que se defende, na bandeira de uma candidatura. 

O discurso muitas vezes surtado, que podemos ouvir na rede, proferido depois nos bastidores dos corredores palacianos, foi gravado maldosamente por alguém próximo e dá até um mal-estar na alma. Esse ódio desmedido e improdutivo, que experimentamos hoje em dia, que não é bom nem para a direita, nem para a esquerda, não ajuda o presente, não contribui para o futuro, é só um exercício burro, de poder agressivo.

Não gira, não roda, paralisa o fluxo do pensar.

A certeza de que a plateia se renderia unânime mostra o autoritarismo de sua atitude e a falta de companheirismo com seus colegas de mandato.

Vejo a intolerância resvalando por onde menos se esperava.  Aqueles que dizem que o ódio é destilado na direita, destilam ódio constante em comentários nas redes sociais ou em discursos sem nexo na defesa do indefensável. Muitas vezes ouço palavras de ordem e ódio, ele é rei, rei da maledicência, mas traído por suas próprias palavras, ficando acuado e procurando saídas ou jeitinhos de burlar a lei que defende ou já defendeu.

O fato é que sois rei apenas das próprias atitudes, são elas que reinam por todos nós, pobres mortais diante de reis que se endeusam ou se colocam como.

É chegado o momento de novos retratos das obtusas palavras queimadas pela inflexão do ódio e de falsos palanques. Quem sabe defender pensamentos não precisa sair vociferando, babando verde e botando o dedo na cara de quem escolhe outra direção pra olhar. E ser político não significa ser necessariamente transgressor, arrojado, conservador ou um deus, mas o momento é de sermos melhores e mais respeitosos com e como cidadãos. Afinal, nem todos carregam as mesmas bandeiras, mas todos choram e se arrepiam apenas por uma, o pendão nacional!

* Vicente Barone é analista político, editor chefe do Grupo @HORA de Comunicação, esteve à frente de diversas campanhas eleitorais como consultor político e de marketing, foi executivo de marketing em empresas nacionais e multinacionais, palestrante nacional e internacional para temas de marketing social, cultural, esportivo e de trasnporte coletivo, além de ministrar aulas como professor na área para 3º e 4º graus - www.barone.adm.br

 



;

Links
Vídeo


Últimas Notícias



Justificativa eleitoral pode ser feita pela internet


Vagas do Mais Médicos são reabertas


Maioria do TSE rejeita ação do PT contra Bolsonaro


Conselho de Ética arquiva representação contra deputados petistas


Onyx apresenta lista dos 22 ministérios do governo Bolsonaro


Receita e PF apreendem mais de 285 kg de cocaína no Porto de Santos